segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

Carnaval.




CARNAVAL 

Carnaval é festa profana que para muitos deixa saudade, porém isso somente acontece, quando brincado com respeito, amor e responsabilidade.” 
    
R.S. Furtado

MEUS QUERIDOS AMIGOS!

Estou retornando depois de um bom e merecido descanso. Gostaria muito de poder continuar contando com o apoio e essa maravilhosa atenção e compreensão de todos vocês, pois é exatamente esse apoio que me fortalece e me induz a continuar.

Agradeço de coração pelas honrosas visitas e belos comentários com palavras tão amáveis, prometendo retribuir a todos sem nenhuma exceção, pois, conforme costumo dizer, quem visita quer ser visitado, isso porquê, a reciprocidade deverá estar sempre acima de tudo.

Muito obrigado e beijos no coração de todos!

QUE DEUS SEJA LOUVADO!”

Rosemildo Sales Furtado 
   

sábado, 19 de dezembro de 2015

Ao Papai Noel

  

AO PAPAI NOEL

Sabe Papai Noel, eu não ia escrever não. Sabe por quê? Porque eu tava com raiva do senhor. É! Tava mesmo. Eu ainda estou, mas, só um tiquito de nada. Todo ano eu esperava um presente e nunca ganhava nada. O último ano, como eu não tinha sapato, – disseram que o senhor só botava o presente no sapato – aí eu botei o sapato velho de pai. Foi um sapato que ele achou no lixo. É que pai vive catando lixo. No dia que os carros passam, ele sai bem cedinho, que é pra catar o lixo antes do carro passar. O povo sempre bota o lixo pra fora de noite porque o carro não tem hora pra passar no outro dia. Mãe disse que o senhor não botou o presente, porque o sapato tava furado e fedendo ao chulé de pai. Mãe num trabalha por causa da minha irmã pixitita, mas ela ajuda pai a separar o lixo. Ela só sai de tarde, porque vai na casa duns ricos que moram aqui perto. Tem uma empregada lá, que junta os restos de comida que ficam nos pratos, bota numa lata, e dá pra mãe trazer pra gente comer. Sabe Papai Noel, teve um ano que eu tava com tanta raiva, que eu desejei que desse um vento bem forte, e derrubasse a tua carrocinha com os presentes aqui bem pertinho do viaduto. Ah! Eu nem falei! É que a gente mora embaixo dum viaduto no caminho que vai pra cidade. Será que não dá pra o senhor trazer uns presentinhos aqui pra gente. Quando eu digo pra gente, é porque aqui embaixo do viaduto tem outras famílias e tem muitos meninos. O senhor pode fazer o seguinte: ao invés de dar os brinquedos novos aos ricos, o senhor troca pelos velhos, e guarda pra trazer pra gente. Ah! Se o senhor trouxer os presentes, veja se dá pra trazer pão também, a gente aqui, sempre vai dormir com fome, mas, como vai ser no Natal, a gente poderia comer, pelo menos, um pedaço de pão.

Eu acho que vou parar por aqui. Quem está escrevendo esta carta é uma amiga minha que trabalha aqui num posto de saúde. Como agora não tem médico, nem medicamento, nem equipamento, também não tem ninguém pra ela atender. Aí, eu falei pra ela que se eu soubesse escrever, eu escreveria uma carta para o Papai Noel pra pedir um presente. Foi quando ela pegou uma folha do caderno dela e mandou que eu falasse o que eu gostaria de lhe dizer. Pois é Papai Noel, já estou com nove anos e ainda não sei ler nem escrever. Todo dia mãe me manda rezar pra ver se as coisas melhoram. Reza meu filho! Reza e pede a DEUS, pra ver se os homens deixam de roubar, criam vergonha na cara, e melhoram a situação do povo. A escola fica muito longe daqui do viaduto, também, eu não tenho nem lápis, nem caderno, e nem também, roupa e sapato. Sim! Ia esquecendo! Tem também a minha irmã pixitita. Quando ela está dormindo, eu também ajudo pai a separar o lixo e quando ela está acordada, eu tenho que tomar conta dela quando mãe ajuda pai ou precisa sair pra pegar os restos de comida ou a água numa pracinha aqui perto.

Será que o senhor não vai esquecer? Olha! Eu não vou mandar um beijo pra o senhor, porque eu não escovei os dentes. Eu nem tenho escova! Sabe como é pobre né?

Um abraço,

Palito (esse é meu apelido porque sou muito magro, e também, porque pobre não tem nome).

R.S. Furtado

MEUS QUERIDOS AMIGOS!

O Natal chegou, e com ele as festas, as alegrias, e acenderam-se as esperanças de muitos, quanto à obtenção de dias melhores. Aproveitamos a oportunidade, para agradecer a todos, indistintamente, pelo apoio e pelo carinho dedicado ao nosso Arte & Emoções, não só aos nossos queridos e leais amigos seguidores, como também, àqueles que nos visitaram durante o ano de 2015, pois temos certeza de que sem esse apoio jamais teríamos chegado aonde chegamos nesses oitenta e cinco meses de vida. Não sei se será pedir demais, mas, gostaríamos de continuar contando com esse valiosíssimo apoio, por tratar-se do nosso principal fomento e a razão maior da nossa existência. Aproveitamos também para apresentar nossas desculpas, caso tenhamos, mesmo inadvertidamente, cometido algum erro. A partir de hoje, faremos uma pequena pausa para descanso, repor as energias e concatenar as ideias, e somente retornaremos em 2016, ocasião em que atualizaremos as nossas visitas.

Pedimos ao nosso DEUS misericordioso que cubra com seu manto todo o universo, abençoe e proporcione a todos os viventes de um modo geral, um Feliz Natal e que o ano de 2016, seja de muita paz, amor, saúde e felicidades, e que o homem adote como prioridades, o amor, a compreensão, a harmonia e a solidariedade para com o seu semelhante, e assim, possamos ter um mundo mais justo e mais humano.

Muitíssimo obrigado e até 2016.

Que DEUS seja louvado!


Rosemildo Sales Furtado 

Visite também: 
Com a História da Literatura Brasileira 
Clicando aqui:

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

Leviana

  

LEVIANA

Mandei-lhe um beijo,
Quando alguém me disse que lhe encontrou.
Muito triste e abatida,
Mal tratada e mal vestida,
Que quase não lhe notou.

Mandei-lhe um beijo,
Quando alguém me disse que você falou.
Que estava arrependida,
E uma vida sem guarida,
Foi tudo que lhe restou.

Mandei-lhe um beijo,
Quando alguém me disse que você chorou.
Lamentando a solidão,
E que o seu coração,
Já não mais suportava a dor.

Vai!
Sai da minha vida, me deixa em paz,
O que você me fez, jamais se faz,
Somente magoou meu coração.
Vai!
O que você me fez já é demais,
Traindo-me com outro, e qualquer rapaz,
Agora você vem me pedir perdão.

É tarde.
Eu já coloquei outra em seu lugar,
Alguém em que eu possa confiar,
Para aliviar os sofrimentos meus.
É tarde.
Segue a sua vida de mundana,
Vivendo e agindo como leviana,
Pois só quem pode perdoar é Deus.


R.S. Furtado 

Visite também: 
Com a História da Literatura Brasileira 
Clicando aqui:

segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

Insensatez.

  

INSENSATEZ

Na maioria das vezes, a insensatez é bem pior que um câncer, mata mais rápido.”

R.S. Furtado

Visite também: 
Com a História da Literatura Brasileira 
Clicando aqui:

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Amor e emoção.

  

AMOR E EMOÇÃO

Não adianta fingires que não mais o amas,
Se ainda é muito forte esse teu sentimento.
Sei que sozinha no teu quarto, o chamas,
E embora te esforces, não o tiras do pensamento.

Por que o disfarce, e não falas a verdade,
Se o que sentes jamais limitou-se à uma paixão?
Por que não assumes de vez essa tua realidade,
E atendes aos acenos, anseios do teu coração?

Com certeza, isso é tudo o que ele mais deseja,
Pois o que sente é de total reciprocidade.
Deixar fluir esse amor é o que mais ele almeja,
Para em conjunto, construírem a felicidade.

A vida é bela, mas é curta, e o tempo passa,
O passado não retorna, não tem recuperação.
O futuro é incerto e a esperança é escassa,

Por que não viveres o hoje, com amor e emoção?

R.S. Furtado

Visite também: 
Com a História da Literatura Brasileira 
Clicando aqui:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...