segunda-feira, 27 de abril de 2015

Inalcançável.


INALCANÇÁVEL

O homem desperta na manhã da vida,
A bagagem precisa então avia.
- Consciência, saber e uma incontida,
Vontade de vencer na qual confia.

Sem temor parte, e, logo na partida,
Uma esperança companheira o guia.
Em toda sua luta empreendida,
Em busca do ideal que acaricia.

Mesmo quando da vida a noite desce,
O homem aspira ainda e, ainda crente,
Continua a lutar, não esmorece.

E assim, a vida passa e ele não cansa,
De correr noite e dia imensamente,
Atrás sempre de um bem que não alcança.

R.S. Furtado 

Visite também: 
Com a História da Literatura Portuguesa 
Clicando aqui:

terça-feira, 21 de abril de 2015

Superação.


 SUPERAÇÃO

Se o seu ontem foi bom e o seu hoje está sendo melhor que ontem, o seu amanhã poderá ser bem melhor que hoje. Portanto, procure dar sempre o melhor de si para que os seus amanhãs sejam sempre superados.” 

 R.S. Furtado.

Visite também:
Com a História da Literatura Portuguesa
Clicando aqui:

quarta-feira, 15 de abril de 2015

Mudanças.

 
MUDANÇAS

Olho o relógio, as horas passam e você não vem,
Livrar-me desta solidão, que a mim não convém,
Somente me entristece, maltrata e me amargura.
Libertar-me desta angústia, deste sofrimento,
Que jamais na minha vida, em nenhum momento,
Me fez padecer com tamanha desventura.

Olho-me no espelho, já não mais me conheço,
Pergunto ó céus, porque eu tanto padeço?
Por que tão sofridos estes castigos meus?
Que será que eu fiz para ser tão castigado?
Vou viver meu resto de vida como um condenado?
Ou será que também não sou filho de DEUS?

Assim, levo a vida somente de lembranças,
Alimentando-me de ilusões e vagas esperanças,
De um dia por fim a essa mísera e cruel paixão.
Seguir meu caminho em busca da felicidade,
A procura de alguém que me ame de verdade,
E saiba acalentar, a esse velho e sofrido coração.

R.S. Furtado. 

Visite também:
Com a História da Literatura Portuguesa
Clicando aqui:

quinta-feira, 9 de abril de 2015

Ódio.


ÓDIO
 
Sentirdes ódio de alguém é cometerdes um suicídio lento, convidando ao mesmo tempo, a pessoa odiada para o vosso sepultamento.”

R.S. Furtado 
(Reedição)
  
Visite também:
Com a História da Literatura Portuguesa
Clicando aqui:

sexta-feira, 3 de abril de 2015

Jesus Cristo.



JESUS CRISTO

Tendo por leito, a miseranda cruz,
Onde o pregaram os algozes seus.
De espinhos, preso a fronte, o vil capuz,
- Vilão - por ser rei dos judeus.

Por ser bom, por ser justo, por ser Deus,
Pelo bem, pelo amor e pela luz.
Que na terra espalhou vindo dos céus,
Crucificado morre o bom Jesus.

Ao exalar o seu suspiro extremo,
Perdoa os homens ímpios criaturas,
Com o olhar que lhes lança o ser supremo.

E, para iluminar sua agonia,
Como estrelas candentes vagam puras,
As lágrimas nas faces de Maria.

R.S. Furtado. 
  

Visite também:
Com a História da Literatura Portuguesa
Clicando aqui:

 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...