segunda-feira, 3 de agosto de 2015

Julgando ser.

JULGANDO SER
 
Julgo-me às vezes poeta, e com vaidade,
Como agora ao papel eis que me atiro.
Nunca arranjo que sirva esta verdade,
Leitor, dizer-te logo aqui prefiro.

A caixa do pensar, viro e reviro,
Mecho, remexo e, com dificuldade.
Martelando eu, é que às vezes dela tiro,
Alguns versos de baixa qualidade.

Quando além de um, consigo outro quarteto,
É já descontrolado, o miolo tonto.
E, outra estrofe não passa de terceto.

E, certo de que um poema, não dou pronto,
Pra sair da enrascada que me meto,
Deixo em paz a cachola, faço ponto.

R.S. Furtado 
Reedição

Visite também: 
Com a história da Literatura Brasileira 
Clicando aqui: 
 

segunda-feira, 27 de julho de 2015

Superação.


SUPERAÇÃO   
Se o seu ontem foi bom e o seu hoje está sendo melhor que ontem, o seu amanhã poderá ser bem melhor que hoje. Portanto, procure dar sempre o melhor de si para que os seus amanhãs sejam sempre superados.”

   R.S. Furtado   

Visite também: 
Com a História da Literatura Brasileira
Clicando aqui:

segunda-feira, 20 de julho de 2015

Eu não faço panto, faço ponto.



EU NÃO FAÇO PANTO, FAÇO PONTO.

Enquanto
For tanto
O medo, quanto
O espanto,
Eu garanto
Portanto,
Que no manto
Jogado no canto,
Marcado pelo pranto,
Não reflete quebranto,
Nem está no entanto
Com imagem de santo
Nem de sacrossanto,
Mas, porém, entretanto,
Sem motivo para ataranto,
Lá do seu recanto
Sem nenhum desencanto,
Mostra um perianto
Com todo seu encanto,
Elogiado no banto
E também no esperanto.
Mas, contudo e contanto,
Para todos, o acalanto.
Como não tem mais anto,
Para este poema tonto,
Eu não faço panto,
Faço ponto.

R.S. Furtado
Reedição

Visite também: 
Com a História da Literatura Portuguesa 
Clicando aqui:

segunda-feira, 13 de julho de 2015

Mulheres.

MULHERES

As mulheres são como as flores, cada uma tem o seu 'QUÊ' de especial.”

R.S. Furtado.

Visite também: 
Com a História da Literatura Portuguesa 
Clicando aqui:

segunda-feira, 6 de julho de 2015

Ciúme de cabra macho.



CIÚME DE CABRA MACHO

Ói aquí sô Zé Mané,
Num brinque cum fôgo não.
Muié di macho né pra quem qué,
Nem pra vagabundo não.
Dêxe in paz minha muié,
Ô vai pará nu caxão.

Já num tô gostando nada,
Do seu jeitim de oiá.
Cum essa cara safada,
Quando óia ela passá.
Cuidado ca tua vida,
Sinão o páu vai cantá.

Já tô ficando arretado,
Já tô pensando em bestêra.
Dêxe di ficá assanhado,
Que sinão vai dá zunzêra.
Pru que pra cabra safado,
O que eu tenho é pexêra.

R.S. Furtado.

Visite também: 
Com a História da Literatura Portuguesa 
Clicando aqui:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...